segunda-feira, 9 de abril de 2018

Escutas telefônicas revelam extorsões do maior grupo de milícia do RJ



'Eu tô com a minha carga pra ser entregue hoje, não tô podendo entregar porque a gente não entregou o arrego ainda', diz funcionário de cervejaria ameaçado. Mais de 140 pessoas foram presas no sábado (7).




142 presos em operação contra milícia estão no Complexo de Bangu, no Rio



Escutas telefônicas gravadas com autorização da Justiça revelam detalhes das extorsões do maior grupo de milicianos do estado do Rio de Janeiro. Na madrugada de sábado (7), a Polícia Civil prendeu 142 pessoas em uma operação de combate à milícia na Zona Oeste do Rio.


No início dos anos 2000, as milícias eram formadas, principalmente, por policiais e ex-policias. Mas, de um tempo para cá, o perfil mudou. Hoje, ex-traficantes e assaltantes fazem parte desses bandos.


Entre os presos da megaoperação deste fim de semana, havia dois militares do Exército, um da Aeronáutica e um bombeiro.


Em um dos diálogos captados nas escutas, o funcionário de uma cervejaria conversa com um miliciano sobre o acerto do pagamento do "arrego", como é chamada a propina que o grupo recebia, para liberar uma entrega de mercadoria.


Veja a reprodução da conversa abaixo:


Funcionário da cervejaria: — Eu tô com a minha carga pra ser entregue hoje, não tô podendo entregar porque a gente não entregou o arrego (propina) ainda.


Miliciano: — O cara combinou comigo de entregar o arrego (propina) hoje, pode entregar, cara. Não tá proibido não, pode entregar.


Funcionário: — Deixa eu lhe explicar: o arrego, se ele disse que vai ser entregue hoje, ele errou. Eu vou te entregar o arrego na terça-feira, porque eu consegui a liberação ontem. Porque ele só queria liberar o local São Paulo, só que São Paulo não sabe o que tá acontecendo no Rio, entendeu? Sabe como são os caras de lá. Aí eu consegui ontem. Eu fui numa reunião pra resolver alguns assuntos e um deles foi este. O meu GGU, o gerente geral, me liberou de te entregar o arrego, que eu vou tirar na segunda. Tiro o pedido na segunda e te entrego na terça de manhã.


Miliciano: — Eu vou liberar aqui, vê se me entrega isso na terça-feira, mano. Porque o patrão... (ininteligível)



Funcionário: — Eu estou te dando a minha palavra. Eu tô te dando a minha palavra. Eu não sou maluco, eu não sou maluco de dar mole, de mentir pra vocês. Agora eu preciso que você confie em mim e eu vou confiar em você, que eu vou entregar a minha carga hoje.


Miliciano: — Pode entregar aí.


Funcionário: — Fechou?


Miliciano: — Seguinte, o pessoal que for entregar, se alguém falar alguma coisa, fala assim: ''olha só meu amigo, já tá resolvido com o pessoal do transporte, já tá? Houve um problema aí, um equívoco, já está resolvido, tá bom?


Funcionário: — Resolvido com o pessoal do transporte?


Miliciano: — É, pode falar. Tá bom?


Funcionário: — Falou, obrigado. Vou ligar pro caminhão agora.


Miliciano: — Olha só, o entregador: ''houve um problema, um atraso, mas já está tudo acertado com a transporte. Vai ser entregue na terça-feira.'' Tá tranquilo?


Funcionário: — Qualquer coisa eles entram em contato com você. Falou, obrigado.


Suspeitos de integrar milícia foram levados de ônibus para a Cidade da Polícia (Foto: Fernanda Rouvenat / G1)




Operação




Durante a operação deste sábado, o chefe do bando, Wellington da Silva Braga, conhecido como Ecko, conseguiu fugir. O miliciano assumiu o controle do bando após a morte do irmão, no ano passado. Carlinhos Três Pontes era traficante e tinha envolvimento no assassinato de um vereador e de dois candidatos ao cargo na Baixada Fluminense.



Segundo as investigações, a milícia que atua hoje no estado do Rio de Janeiro cobra pedágio do transporte alternativo, lucra com a venda de botijões de gás e com o fornecimento de sinal clandestino de TV a cabo e internet.


O grupo também faz contrabando de cigarros e autoriza o roubo de carga e a venda de drogas em troca de um percentual. Na ação, também foram apreendidos 13 fuzis, 15 pistolas, 4 revólveres, 1 granada, carregadores e 10 carros.


Polícia apreendeu 13 fuzis em operação contra a milícia (Foto: Cláudia Peixoto / Arte G1)




Milícia estava se expandindo pelo RJ




A maior quadrilha de milicianos do estado começou a atuar na Zona Oeste e, recentemente, expandiu os domínios pra Baixada Fluminense e Costa Verde, no sul do Estado. Os milicianos vendiam uma suposta segurança para moradores e comerciantes, mas logo regras foram impostas na base do terror.


"É um grupo de sanguinários que exterminam as pessoas de bem daquela região e nada diferem do tráfico de drogas. Se vc não paga a taxa, te executam", explicou o delegado Fábio Salvadoretti.


Na operação desencadeada na manhã de sábado, além de prender 142 pessoas, a polícia também apreendeu sete menores suspeitos de integrar grupos criminosos que atuam na Zona Oeste do Rio.


Os detidos estavam numa festa em um sítio em Santa Cruz, onde a polícia encontrou diversos carros importados, fuzis, granadas e até roupas militares. Wellington da Silva Braga, o Ecko, chefe da milícia de Campo Grande, Santa Cruz e outros bairros da região conseguiu fugir. A polícia afirma que o grupo dele está enfraquecido.



“Não vamos diminuir a nossa força e vamos atuar incessantemente contra a milícia. Outras operações virão. Não tivemos nenhum policial ferido, e quem resistiu à ação da força policial resistiu com fuzis, armas de grosso calibre, e teve resposta necessária e suficiente a essa ação. A Polícia Civil não vai recuar”, ressaltou o chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Rivaldo Barbosa.


De acordo com as investigações, o sítio era usado como um quartel general da milícia, de onde os grupos saiam para agir em outros bairros da Zona Oeste da cidade.


A festa que aconteceu na noite desta sexta (6) tinha alguns itens personalizados como pulseira vip, ingresso numerado e copo com tema da festa. Quando a chegada dos agentes, houve muito tiroteio. Quatro criminosos morreram no confronto.



Suspeitos de integrar milícia são presos e levados para a Cidade da Polícia




Suspeitos são transferidos para presídios em Bangu




Os 142 suspeitos de integrar a milícia foram transferidos no início da tarde deste domingo (8) para presídios que integram o Complexo Peniteciário de Gericinó em Bangu, na Zona Oeste do Rio.


Numa primeira etapa, os presos foram levados para a Cadeia Pública de Benfica, na Zona Norte, onde passaram por uma triagem. Os sete menores apreendidos serão levados para o Departamento Geral de Ações Socioeducativa (Degase).



A operação para saída dos presos da Cidade da Polícia, no Jacaré, Zona Norte, teve reforço policial e de transporte. Segundo a Seap, a transferência contou com seis carros e foi acompanhada por 30 agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). Um helicóptero também acompanhou o deslocamento.


Na porta da Cidade da Polícia, parentes dos presos fizeram uma manifestação dizendo que eles eram trabalhadores e inocentes.


Fuzis foram apreendidos em sítio considerado quartel general da milícia em Santa Cruz (Foto: Fernanda Rouvenat/G1)


Mais de 80 suspeitos de integrar grupo de milicianos são presos em operação na Zona Oeste do Rio (Foto: Divulgação)


Fonte: G 1